Só há um tempo em que é fundamental despertar. Esse tempo é agora.

O nosso brilho mostra aquilo que somos

Joel Reis*. (2018). O nosso brilho mostra aquilo que somos. Revista Portugal Holístico, 09: 09-10




Ser como o sol: levante, que também brilha e ilumina o mundo, mas que convite maravilhoso. Que força tem esta frase, para sermos nós mesmos, com o nosso brilho.


O Sol representa o centro do nosso ser, o princípio criador inerente a cada pessoa, ele dá-nos luz, calor e vida, aquece a terra para criar ou crescer, revela o que está escondido. É por isso que ele é símbolo da visão.


O Sol representa força de vontade, energia, ambição, dignidade, auto-confiança, poder, vitalidade, criatividade, conhecimento e consciência. Como acontece no nosso chakra plexo solar, quando está equilibrado, propicia a nobreza de sentimentos, generosidade, coragem, força de vontade, sucesso e prestígio. É a partir daqui que a pessoa tem maior capacidade de brilhar ou de se realizar.


Todos nascemos com alguns dons inatos, mas só quando os mostramos é que revelamos a existência deles, e então, estamos a brilhar, mostrando aquilo que somos. Traz à luz as nossas qualidades e defeitos. Vemos com o brilho do Sol, mas escondemos pormenores com a ausência de luz. Ao guardar o que somos para nós, estamos a trazer escuridão às nossas vidas, ora, é pela ausência de luz que camuflamos a nossa personalidade.


O que seriamos se vivêssemos sem Sol, sem luz?


Viver apenas na noite seria um grande aborrecimento, é certo. Agora, imagine o leitor que está constantemente a esconder dos outros o que realmente é. Onde está a sua luz própria? A sua verdadeira essência?


O Sol representa aquilo que é essencial para nós, em torno do Sol estão os planetas que recebem a sua luz. Eles estão atraídos pelo seu calor luminoso. Por analogia, a nossa luz, a nossa vibração, o nosso calor, a nossa essência mais pura, pode atrair ou afastar pessoas, quase como acontece com os planetas à volta do Sol.


Quando precisamos de Sol, saímos de casa para o receber, mas quando não precisamos, recolhemos no nosso lar. Os planetas fazem o mesmo, no seu movimento de translação, de aproximação ou afastamento, não é fascinante?Considera-se que a luz é uma porção do espetro eletromagnético que nos rodeia, e a frequência da luz é reconhecida como uma cor através do cérebro por aquilo que os nossos olhos captam. O nosso organismo tem milhares de chakras, onde, destes, existem sete principais que vibram energia com uma frequência de sete cores. Se houver bloqueios de energia nos chakras esses apresentam uma frequência da luz mais ténue e descolorida.


O espetro visível ou espetro ótico é a porção do espetro eletromagnético cuja radiação, composta por fotões, pode ser captada pelo olho humano. Esta radiação é a luz visível. Para cada frequência da luz visível é associada uma cor.


A cor é algo percetível na retina, onde depois é transmitida informação para o nosso sistema nervoso. As cores são luz, a cor branca resulta da sobreposição de todas as cores, enquanto o preto é a ausência de luz.


A cor não tem só a ver com aquilo que os olhos veem, mas com a informação que está presente no nosso cérebro. O nosso organismo é complexo e reage aos estímulos dos chakras, às frequências de luz que emitem e o nosso sistema sensorial capta-as.


Não se deve confundir luz própria de cada um com ser uma pessoa iluminada.


A luz própria representa a personalidade, o que se vê à luz dos outros e o que se é. São as cores da aura que exprimem isso. Já uma pessoa iluminada, “é aquele que se iluminou, isto é, transcendeu a forma, vive a sua verdadeira vida, superou toda negatividade em si, em relação ao mundo e a todos os seres e à Natureza. Assim vive a plena liberdade com naturalidade sem ter nenhuma dependência física ou psíquica”. A maior parte de nós, seres humanos, estão longe de atingir esse patamar. Eu sou um deles.


A pessoa iluminada não se faz de palavras bonitas, mas verdadeiras e com atitudes simples. A pessoa iluminada não recolhe nada, mas acolhe e cuida. A pessoa iluminada não julga nem critica opiniões entre o verdadeiro e o real, mas debate perspetivas, pois são todas verdadeiras. Ser espiritualmente iluminado é parecer o que realmente se é.


A nossa luz interior representa uma elevação de frequência energética e a elevação da consciência. Quando conseguimos irradiar a nossa personalidade verdadeira estamos em paz e sentimos um bem-estar geral. Mas há alturas em que parece que estamos sem essa luz, na realidade ela está lá, mas foi ofuscada temporariamente por situações, pensamentos ou emoções. Assim como nada é certo, nada é permanente, havendo dia e noite, frio e calor, luz e sombra, essa luz num momento certo, voltará a brilhar.



Joel Reis*. (2018). O nosso brilho mostra aquilo que somos. Revista Portugal Holístico, 09: 09-10


(*) Mestre e Terapeuta de Reiki Essencial e fundador da Brighid Terapias Integrativas em Esmoriz-Ovar

“Com motivação, até a flor mais murcha do campo vira rosa.” Raphael Carmo